Atrações

Palácio de Cristal

A estrutura pré-montada foi encomendada em 1879 pelo Conde D’Eu, marido da Princesa Isabel, para ser usada como espaço para festas e exposições de flores, frutos e pássaros. O palácio foi construído nas Oficinas da Sociedade Anônima de Saint-Sauvers Les Arras, na França, e foi inaugurado em 1884.

Endereço: Rua Alfredo Pachá, s/nº - Praça da Confluência - Centro

Visitação guiada: De terça a domingo, das 9h às 18h.

Ingresso: R$5,00 - Crianças de 7 a 10 anos, estudantes e maiores de 60 anos a 64 anos: R$ 2,50. Crianças até 6 anos e maiores de 65 anos: acesso livre.

Catedral São Pedro de Alcântara

Construção em estilo neogótico francês do século XVIII, teve a sua pedra fundamental lançada em 1884, sob o patrocínio de D. Pedro II e da Princesa Isabel. Foi executada em alvenaria de pedra aparelhada e apresenta obra de cantaria de granito. O padroeiro da igreja é São Pedro de Alcântara, venerado como protetor da monarquia, instituído por D. Pedro I como patrono do Império Brasileiro.
O Mausoléu Imperial, uma capela localizada à direita da entrada, é um dos grandes atrativos históricos da catedral. No centro, está a lápide de mármore Carrara de quase três toneladas com as estátuas jacentes de D. Pedro II e Dona Teresa Cristina. Ao fundo, nas laterais, as estátuas jacentes da Princesa Isabel e do Conde D’Eu.

Endereço: Rua São Pedro de Alcântara, 60

Visitação: Diariamente, das 8h às 18h.

Casa da Princesa Isabel

Residência oficial da Princesa Isabel e do Conde d’Eu até a Proclamação da República. Na casa, construída em 1853, nasceram os dois primeiros filhos da Princesa Isabel. Lá se encontrava D. Pedro II quando tomou conhecimento do movimento militar que instituiu a República. Atualmente, é sede da Cia Imobiliária de Petrópolis, onde também funciona o Antiquário da Princesa, ambos de propriedade da Família Imperial.

Endereço: Av. Koeller, 42 - Centro

Visitação: Apenas quando houver exposições.

Casa de Santos Dumont

Chalé do tipo alpino francês, a residência de verão foi desenhada e planejada por Alberto Santos Dumont, em 1918. Apelidada de “A Encantada”, devido à sua localização, a casa revela muito sobre a personalidade do inventor. Diversas peculiaridades podem ser encontradas, como uma de suas últimas invenções que é o chuveiro com água quente, o único do Brasil àquela época; a escada externa onde só se pode começar a subir com o pé direito; e a própria arquitetura da casa, onde não são utilizadas divisórias entre os cômodos. No terraço, há um observatório onde Santos Dumont passava horas observando os astros.

Endereço: Rua do Encanto, 22 – Centro

Visitação guiada: De terça a domingo, das 9h30 às 17h.

Ingresso: R$5,00 - Crianças de 7 anos, estudantes e maiores de 60 anos a 64 anos: R$2,50. Crianças até 6 anos e maiores de 65 anos: gratuito.

Isenção: Escolas municipais e estaduais, de terça à sexta-feira.

Museu Imperial

O Museu Imperial possui o principal acervo do país relativo ao Império Brasileiro, em especial o chamado Segundo Reinado, período governado por D. Pedro II. São cerca de 300 mil itens museológicos, arquivísticos e bibliográficos à disposição de pesquisadores e demais interessados em conhecer um pouco mais sobre o tema, além de constantes eventos, exposições e projetos educativos preparados pela equipe do museu.

Endereço: Rua da Imperatriz, 220 – Centro

Visitação: De terça a domingo, das 11h às 18h.

Jardins: De terça a domingo, das 8h às 18h.

Ingresso: R$ 8,00 - Estudantes, professores e maiores de 60 anos: R$ 4,00. Crianças até 7 anos e maiores de 80 anos: gratuito.

Pacote Familiar: R$ 20,00 (vinte reais) = 2 adultos e 2 estudantes.

Casa da Ipiranga

Construída em 1884, sua decoração original permanece intacta. A casa possui salões de festas com lustres franceses, espelhos de cristal belga, lareiras de mármore Carrara e cerca de 300 pinturas e murais por todos os seus cômodos.
O jardim da casa é o único em estado original no Brasil de Auguste Glaziou, botânico e paisagista da Casa Imperial Brasileira, o mesmo idealizador da Quinta da Boa Vista e do Passeio Público, ambos no Rio de Janeiro. É também conhecida como “Casa dos Sete Erros” devido às pequenas diferenças entre os telhados e as janelas dos lados esquerdo e direito da fachada.

Endereço: Rua Ipiranga, 716 - Centro

Visitação guiada: De quinta a terça-feira, das 12h às 18h.

Ingresso: R$6,00 – Estudantes e visitantes acima de 65 anos: R$3,00. Crianças até 7 anos: gratuito.

Rua Teresa

Não é de hoje que a Rua Teresa tem importância ímpar para a cidade. Ainda nos primórdios da formação da cidade, no século XIX, muito antes do desenvolvimento do pólo têxtil, a rua era uma das mais importantes da região por ser o único acesso possível da Serra da Estrela à então Fazenda do Córrego Seco. Já nos anos 50 e 60, com o declínio das fábricas, a rua virou, de fato, um ponto de confecções: operários demitidos que moravam na rua aproveitaram o conhecimento que tinham para montar suas próprias casas de costura, e as garagens acabaram sendo utilizadas como pontos de venda.
Próxima ao Centro Histórico, a Rua Teresa é conhecida nacionalmente como um incomparável shopping a céu aberto, com roupas e acessórios de moda a preços de fábrica (atacado e varejo).

Horário de Funcionamento: Segunda-feira, das 14h às 18h. Terça a sábado, das 9h às 18h. Domingos, das 10h às 16h (não são todas as lojas que abrem).

Obelisco

O Obelisco, que mede 20m de altura, é uma homenagem da Prefeitura Municipal de Petrópolis aos fundadores da cidade, isto é, a D. Pedro II, ao Conselheiro Paulo Barbosa da Silva, a Caldas Vianna, a Aureliano Coutinho, a Júlio Frederico Koeler e a todos os colonos alemães que chegaram em Petrópolis a partir de 29 de junho de 1845.

Endereço: Rua do Imperador, s/nº - Centro


Câmara Municipal

Localizado na Praça de Mauá, no Centro Histórico, o Palácio Amarelo foi construído em 1897, já com o objetivo de sediar a Câmara Municipal de Petrópolis. A parte mais famosa é a decoração do Salão Hermogênio Silva, a sala das sessões, considerada como a mais bela do gênero. Na parte exterior, em sua praça, o chafariz da águia foi construído em 1899 por Heitor Levy e ajardinada em 1897 por Carlos Júlio Mayer e o projeto alterado em 1944 por Burle Marx.

Endereço: Praça Visconde de Mauá, 89 – Centro

Visitção guiada: Diariamente, das 10h às 17h (é necessário agendamento prévio).

Relógio das Flores

Inaugurado em 1972, por ocasião dos 150 anos da Independência do Brasil. É controlado no interior do prédio da Universidade Católica de Petrópolis. Movido à bateria, o relógio possui um carrilhão com badaladas a cada meia hora.

Endereço: Rua Barão do Amazonas, 124 – em frente a Universidade Católica de Petrópolis


Casa do Barão de Mauá

Irineo Evangelista de Souza, mais conhecido pelos títulos de nobreza de Barão e Visconde de Mauá, representou na história do Segundo Reinado um importante papel como homem de excepcional visão nos setores comercial e industrial do Brasil, e por isso ficou conhecido como O Empreendedor do Império. O palacete pertencente ao Barão de Mauá até hoje conserva suas linhas neoclássicas, sóbrias, com seus telhados escondidos por beiras de alvenaria, janelas e portas no mesmo estilo usado na época do II Império. Encrustado em meio à densa floresta, tem à sua volta um belo jardim gramado, com algumas espécies raras de palmeiras e árvores frutíferas. A propriedade é toda murada de alvenaria e gradís de ferro, vindos do estaleiro do próprio Mauá.

Endereço: Praça da Confluência, 3 – Centro (princípio da Av. Barão do Rio Branco)

Visitção: Externa.

Palácio Rio Negro

Em 1889, menos de três meses antes da Proclamação da República, o senhor Manoel Gomes de Carvalho, Barão do Rio Negro, comprou o terreno onde seria erguido o seu palácio de verão. Em fevereiro de 1896, o Palácio e a casa ao lado foram vendidos ao Estado do Rio de Janeiro para servir de residência oficial do governante. Em 1903, o Palácio foi incorporado ao Governo Federal e passou a ser residência oficial de verão dos presidentes da República. O seu mais assíduo frequentador foi o Presidente Getúlio Vargas, que nos 18 anos que esteve à frente do país, não deixou de passar um só verão em Petrópolis.

Endereço: Av. Koeler, 255 – Centro

Visitção: Sábados, domingos e feriados.

Horário: Das 10h às 16h.

Entrada Franca Por tempo indeterminado.

Palácio Quitandinha

Construído em 1944 para ser o maior hotel cassino da América Latina, o Quitandinha possui 50 mil metros quadrados divididos em 440 apartamentos. Externamente, o prédio possui o estilo arquitetônico normando-francês, muito utilizado em Petrópolis devido à colonização alemã. Nomes como Walt Disney, Henry Fonda e Evita Perón passaram pelos seus portões. O extenso lago em frente ao palácio possui o formato do mapa do Brasil e foi construído como único suporte em caso de um incêndio. Hoje, apesar de não funcionar mais como hotel cassino, o Palácio Quitandinha ainda é conhecido como o maior e mais legítimo palácio do Brasil.

Endereço: Avenida Joaquim Rolla, 2 - Quitandinha

Visitção Interna: De terça a sábado, das 9h âs 17h. Domingo das 9h âs 16h.

Ingresso: Entrar em contato através do número (24)2243-8327

Voltar ao topo